quinta-feira, 12 de abril de 2012

Só nos sonhos vens



Só nos sonhos vens
tu que não vejo e com quem não falo
há tanto tempo
Surges de vez em quando nos sonhos que tenho
sempre calma e não sei se falamos
mas acho que sim
não sei
sei que és uma presença serena
sinto no sonho a perfeição
a harmonia
se falamos ou não 
não sei
mas não me lembro de palavras
lembro sim de gestos
mas tudo suave
a encher o coração
que pelos vistos não dorme.
Será a alma?!
Não sei.
Sei que assim devia ser o mundo chamado do real.
Sei que o mundo chamado do real é a nascente do sonho,
mas também sei que é esta oposição que dá valor
ao sonho.
Mas também penso
que as nossas almas se encontram
e já decidiram
( - será ?! )
que é melhor assim
a gente encontrar-se no sonho
e acordarmos  com a sensação doce e suave e feliz
de que mais vale o encontro nos sonhos 
do que na vida
onde se nos encontrássemos
nenhuma palavra já nos traria a paz
porque já não sabemos usar as palavras.
Então
bem melhor será que nos encontremos nos sonhos...
Será que...se me leres...as palavras que digo se
transformam em verdadeiras?
Isto é: será que também sentes que te encontras
comigo nos sonhos?
Ah!!
Se me leres e nada sentires, o que escrevo é
indubitavelmente delírio
ou expressão de desejos  inconscientes!
Se sentires o que digo, ficas a saber que não 
vale a pena
trocar o mundo dos sonhos por qualquer encontro
em qualquer local
do mundo onde habitamos.
E se nos encontrarmos, poucas palavras devemos
proferir, apenas as 
indispensáveis. Aliás, como disse, já nem sabemos 
usar as palavras!
Se nada sentires, deixa-me dizer que os encontros
nesta vida
deveriam ser aqueles que tenho contigo nos 
sonhos!
-
In meu último livro: " Os caminhos do silêncio " , Chiado Editora, Novembro 2011
Postar um comentário