quarta-feira, 19 de abril de 2017

Amorosamente acarinhados


Sempre que nos falamos e olhamos
sem teias nas palavras e sem brumas no olhar

é que nos vemos
amorosamente acarinhados com o todo
do céu e da terra
da vida e da morte
da alegria e da tristeza
da solidão e do abraço
do amor e das mágoas
da mentira e da verdade !
Eduardo Aleixo
Janeiro 2013

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Respiro. no tempo suspenso.

21/02/2016
Respiro.no tempo suspenso.à beira do lume aceso.ouvindo o vento.parado no tempo.mas sinto que me movo. num tapete que se move....

Sem inquietação e com aceitação involuntária fluxo sou que se desloca e não se nota.
Mas noto e estranho esta minha estranha e voluptuosa serenidade...
Eduardo Aleixo
Noite de Fevereiro

quinta-feira, 13 de abril de 2017

ESTEVAS

São lindas as flores das estevas.....
Tenham um bom dia...

Nem alegre nem triste

Leve de afago nem alegre nem triste indelevelmente quase doce
Longínquo intermitente sem que se espere
Estendido no dorso infinito do mar
Não é este não o teu cantar permanente e eterno de visitas liquidas aos nossos pés descalços,
Não,
São as gares e os lenços
Como rendas de espuma,
Barcos
Que perduram
Sem remos
Nem destino
Nas névoas navegantes da memória !....
Costa da Caparica, Junho de 2015


sábado, 8 de abril de 2017

Tudo passa

Tudo passa
mas tudo fica.
Tudo lembra
mas tudo esquece.
Estranhamente...
é tudo estranho.
Ou talvez não:
era noite,
ora amanhece.
Tudo é diferente,
mas se repete...

Eduardo Aleixo

( em todas as datas e lugares)

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Na companhia das giestas

Nestes dias na companhia das giestas ouvi o vento fazendo balouçar os braços dos pinhais e ouvi o vento e perguntei como sempre pergunto o que diz o vento e ouvi os pássaros cantarem e perguntei como sempre pergunto o que dizem os pássaros quando cantam àquilo que não sei....
Eduardo Aleixo
6 de abril

quinta-feira, 30 de março de 2017

A outra face do mar

É preciso imaginar o que dizem os búzios! Que conhecem os segredos do mar! Que o mar não deixa contar! Fica apenas um cantar soturno. Um lamento cavo e difuso. O estrondo infindo do choque violento das vagas contra as tábuas dos barcos que submergem e com os barcos as mãos que acenam e imploram e dizem adeus. Os lábios que se beijam. Os corpos que se enlaçam. Os olhos que se fecham. Os choros e os gritos estrangulados na garganta das águas inclementes. Os sonhos acabados de nascer e sepultados no fundo do mar para sempre. Eis o que dizem os búzios. Ou imagino que diriam. Se pudessem falar.

Eduardo Aleixo
2011


quarta-feira, 29 de março de 2017

Me testemunho

Me testemunho no poema que de mim sai
Sem filiações a não ser a da fonte auto-descoberta
Sem citações nem escolas nem modelos
Apenas 
Flor
Aberta
No deserto
Feliz e pura 
Como água 
Pronta a iniciar 
A sua caminhada....
Como eu
Deslumbrada 
Retraída 
Um pouco ousada
Da vida não sabendo
Mesmo nada!
.
Eduardo Aleixo
( agora mesmo )

segunda-feira, 27 de março de 2017

Varanda de Lisboa

Varanda de Lisboa em dia muito frio.
A hortênsia ...dá- me saudades das que vi nos Açores...
Tenham boa tarde!

Sede de palavras com sede

Sede de palavras com sede 
de água fresca e pura
manhã
tão luminosa como a luz,
descerra as cortinas do meu sonho
e mata as saudades das coisas que nunca vi,
conduz-me à fonte do sorriso
e ajuda-me a ser o ser
para que nasci!
-
In " Os caminhos do silêncio ", Chiado Editora, . 2012

domingo, 26 de março de 2017

Imaginações 2


( Foto de Lucília Ramos )

O indizível

Também acho que é o indizível que me move e me toca às  vezes. 

Saudades do indizível do que vi na realidade da minha imaginação ou no meu imaginar matematicamente real.

Mas as saudades do chão que piso também as sei como se fosse estrela com saudades da terra de onde tivesse um dia voado como pássaro ou anjo.

É um sentimento melancólico, um pouco triste e estranho, como se eu fosse um estrangeiro  neste mundo, este de ter saudades da terra quando chego ao céu e saudades do céu quando na terra dos homens vivo, que é o caso.É como se tivesse esquecido vestes minhas em qualquer parte do universo e gostasse de as recuperar e sentisse um vazio semelhante ao que sentem os amantes com a falta do bem amado, quando no deserto do mundo luminoso do universo sem fim me faltassem coisas finitas como a casa, o mar, o cheiro dos campos, o riso das crianças, o cantar dos pássaros, o olhar amado dos seres, a frescura das manhãs, a cor cálida dos poentes avermelhando as águas azuladas do mar!...

sábado, 25 de março de 2017

As Fontes

Imaginações - 1
.
As fontes
.
Apelo irresistivel pelas fontes !
Mas fontes sentidas como se já conhecidas em tempos e espaços não lembrados, mas com afagos indesmentíveis de lembranças !
Saudades de lugares e de tempos fora dos lugares e dos limites do nosso tempo !
Inexistentes, improváveis e impossíveis, dentro da lógica estreita e pobre da objectividade, eles existem ontologicamente em mim, como se águas limpas no meu peito me deixassem ver curvado sobre um tempo que ficou indelevelmente gravado e que de súbito se esvai como se pertencesse à eternidade e deixasse a impressão suave de um sinal,de um trilho, de uma marca, de uma mensagem cinzelada como testemunho e testamento na pele invisível da minha alma !...
Eduardo Aleixo
 ( em todas as datas )

quarta-feira, 22 de março de 2017

A caminho de Mértola

Trigal
A caminho de Mértola
O Zeca Afonso cantaria:
- verdes são os campos...

sexta-feira, 17 de março de 2017

SEGREDO


3 h

Venho aqui

deixar-te um poema
debaixo da pedra
debaixo da folha
debaixo do choupo...
É um segredo
que nem as águas do riacho
que correm ao lado
sabem !...

Eduardo Aleixo
Mértola, Julho de 2013

sexta-feira, 10 de março de 2017

Na noite escura


Na noite escura
só as luzes dos candeeiros derramadas sobre as ruas desertas
abandonadas
solitárias
silenciosas
as casas fechadas sem luzes nas portas e janelas
Apenas os cães ladram...
- Tanta falta fazem o brilho das estrelas cintilando no céu
e os sinais da presença dos homens sobre a terra!...
Eduardo Aleixo
5 de abril de2014

Que só nos sonhos se revelam

Os momentos em que os seres se retiram
Quantas vezes são 
Os de mais intensa comunhão 
Clarividência 
Leitura luminosa das páginas 
Porventura por escrever ainda
Calendários desenhados
Nos caminhos
Traçados
Nas águas profundas
Que só nos sonhos se revelam.....

.
Eduardo Aleixo-2015

sexta-feira, 3 de março de 2017

FLAUTA

Cada vez gosto mais do que é simples.
Por exemplo, esta cana!
É uma flauta.
Dá música.
Que se espalha pelos campos.
E é respeitada pelos pássaros.
.
2014- Eduardo Aleixo

quarta-feira, 1 de março de 2017

O problema...

O problema não é a existência das máscaras, nem o egocentrismo fútil das personalidades, mas o conhecimento consciente das aspirações e necessidades do EU, ou seja....da Alma.
Eduardo Aleixo
Lx, 1 de Março

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Sonhos lembrados

E agora vou mergulhar no mundo estrangeiro da noite, mapa sem países, constelações de encontros sublimes, de onde peço aos anjos me tragam sonhos lembrados para que eu possa discortinar se são espelhos meus ou se são recados do céu. Durmam bem.

Eduardo Aleixo

domingo, 19 de fevereiro de 2017

SEJA BEM- VINDO, SIGNO DE PEIXES

Glifo: dois peixes interligados nadam em direcções opostas, representando a natureza vacilante, indecisa do Peixe.
Período: de19 de Feverero a 19 de Marçp
Regente: Neptuno e co-regente: Júpiter
Casa Natal: 12ª
Qualidade: Mutável
Elemento: Água
Polaridade: Negativa

Palavras-chave: compaixão, impressionável, receptivo, vacilação, imaginação, maleável, misticismo, transcendente, união, sonhador, confusão, esquivo, modesto

Personalidade: a sua personalidade é tipicamente vaga e dispersa: o Peixe não sabe onde ele próprio termina e onde começa o outro. Comporta-se como uma esponja psíquica, absorvendo sentimentos e impressões aqui e além.
Gentil, o Peixe jamais magoaria alguém deliberadamente e tem dificuldades em dizer não. O nativo típico deste signo tem tendência para se fazer de vítima e é exímio a gerir atitudes de agressão passiva. Mais que desagradar a alguém abertamente, prefere assumir compromissos que não tenciona respeitar ou fazer promessas para logo as quebrar. À semelhança dos peixes do glifo, esta personalidade é puxada em duas direcções diferentes ao mesmo tempo. Por um lado é a bondade em pessoa, por outro é passivamente manipuladora. Vacilando entre os dois, não admira que este signo tenha dificuldade em lidar com a realidade do dia-a-dia.
Mente: a mente pisciana é irracional e intuitiva – ou ilusória e falsa. Fluindo livremente pode penetrar no domínio do místico e do transcendente. O Peixe busca a união com o divino e ligado a energias universais pode aceder a fontes de informação supra- normais. Este signo é capaz de alcançar a fusão mental com outra pessoa, o que lhe permite pôr-se no lugar do outro.

Emoções: para o Pexe a emoção justifica praticamente tudo na vida. Trata-se de uma personalidade fluida, que reage a todo e qualquer estímulo emocional de forma indiscriminada. Correntes emocionas empurram o Peixe primeiro numa direcção, depois noutra. Regra geral este signo tem dificuldade em saber o que realmente sente, pois absorve facilmente os sentimentos e as sensações dos outros.
Tem bom coração, comovendo-se facilmente com a infelicidade dos outros. Nenhum outro signo é tão propenso ao sentimento de culpa como este. Dado à auto-incriminação e à auto-flagelação o Peixe entrega-se a uma angústia criada pelo pensamento de todos aqueles que sofrem e todos aqueles que ele próprio desapontou.

Forças: o Pexe é o signo mais intuitivo e empático do zodíaco, dotado de imensa imaginação e capacidade de compreensão.

Fraquezas: tem dificuldades em lidar com as duras realidades do mundo. Quando a confusão se instala, este signo manipulador não consegue distinguir a verdade da realidade e falta à palavra.
Sombra: a sombra de Peixes é um mártir que se sente explorado e usado. Esta sua faceta é produto da incapacidade de reconhecer a altura de parar de dar e deixar de fazer tudo por alguém. Uma das suas principais características é o sentimento de culpa e a consequente necessidade de expiação e auto-sacrifício.

Carma: o desafio cármico é aprender a sentir compaixão sem assumira a dor do outro.

Aprecia: tudo o que é romântico, artístico e místico¸ musica, teatro e artes; e mar.

Não aprecia: pormenores, prazos, realidade, dizer a verdade quando pode magoar alguém.
(Texto retirado da obra: " Bíblia da Astrologia - JUDY HALL "
GostoMostrar mais reações
Comentar

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

O CARDO

Gosto do cardo 
porque é belo
e mostra ao ceu
os espinhos da Terra

Eduardo Aleixo
.
( em todas as datas e lugares )

domingo, 12 de fevereiro de 2017

A chuva cai

A chuva cai
sobre os brancos malmequeres
na terra pesada....
- Que os meus sonhos sejam leves !
Eduardo Aleixo
Lx, 10 de Fevereiro
Fiquei com pena de não fotografar os malmequeres.
Mas não faz mal.
Eles veem-se no poema.

Eram duas estrelas !

Debaixo da chuva cruzei-me com uma velhota com ar só e triste.
Disparei:
- Bom dia...
Ela ergueu o rosto e disse:
- Bom dia, senhor...
E os seus olhos cintilantes
eram duas estrelas!...
Eduardo Aleixo
Manhã chuvosa de Fevereiro 

sábado, 4 de fevereiro de 2017

VOU LEVE

Vou leve
Voo
Mas levo comigo
Tudo o que fui
No que sou...
.

Eduardo Aleixo
.
Agora

RECEBER

Tão sublime e generoso como DAR é saber RECEBER:
Um abraço
Um beijo
Um simples cumprimento
Um olhar
Um gesto de mão
Um aceno de cabeça
Uma intenção de falar
Um sorriso .....
O próprio silêncio!
Eduardo Aleixo
Em todas as datas e lugares

sábado, 21 de janeiro de 2017

PARABÉNS

PARABÉNS
Fazes hoje anos, companheira, amiga,amante,mãe,
rocha, prado,
regaço, gruta, mãos,
porto, baía,
tantas palavras poderia acrescentar,
mas sei que preferes o silêncio,
o olhar sereno,
a postura calma,
foi assim que me cativaste,
e no teu colo apaziguei as minhas dores e as
minhas inquietações.
Calada, acho que sempre brilhaste,
e foste estrela segura e firme no firmamento
onde me recebeste
e hoje te canto
e te agradeço
e faço por merecer-te
o tanto que me tens dado
e tanto acompanhado
em tantos momentos solitários e difíceis.
É isso que te quero dizer
neste dia em que fazes anos,
meu amor.
Eduardo Aleixo

Assobiando às ovelhas

Quando a tristeza é vazada
no cálice luminoso do poema
e a alegria borbulha como espuma sussurrante
nas corolas festivas das camélias,
Surge o poeta disfarçado de pastor,
assobiando às ovelhas,
com amor
.
Eduardo Aleixo
Foto Net
( Out/2014 )

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

HOJE....

Hoje está muito frio
Mas os pássaros...cantam

.
Eduardo Aleixo

sábado, 14 de janeiro de 2017

Aos Amigos Verdadeiros

coisas simples. ditas simplesmente. talvez o que permanece. e que vale a pena. ainda. ( Isabel Mendes Ferreira, no Face Book ) -12 de Janeio
____________________________
texto de Eduardo Aleixo.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

De mãos dadas...

Ceu de mãos dadas com a Terra no jardim do Torel em Lisboa em tarde invernosa.
( 10 de Janeiro )

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Gosto de ser como as árvores

Gosto de ser como as árvores
( árvore do jardim do Principe Real )

Contabilidade cósmica

Há uma contabilidade cósmica 
que todos aprendemos
só nas escolas do Tempo inexorável..............
Feita de números.
Mas desenhados
com as letras virtuosas do Amor!
.
Eduardo Aleixo
( 23/1/2016)