segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Tudo passa como os sons...


Tudo passa como os sons
Como barcos
Nas águas das nossas células.
Basta apenas atenção à música 
Que o vento vibratório 
Repercute nas velas.
Respiramos amplos e leves 
E localizamos em que parte da nossa embarcação 
Se abriu a ferida do vento.
Com amor acariciamos a ferida
Beijemo-la e havemos de reparar
Que as nuvens se dissiparam
E o céu fica mais claro

Para a dança dos golfinhos!....

fim de set.


Postar um comentário