quinta-feira, 29 de julho de 2010

Nocturno de chopin ( variações )

-
Foto Net
-
Era esta nota, folha diáfana de choupo, arrepiando ao de leve a superfície das águas do rio, que ouvi sibilina na noite cálida de ontem, olhando a lua cheia e a estrela da manhã, já sabendo que o vento não, nem suão, as árvores paradas, como estátuas, noites do sul, do alentejo serrano, nem vivalma, nas portas e poiais, isso era antigamente: - O astro tá parado, compadre! -Parece que mexeram as folhas agora... Vozes nos caminhos perdidos do tempo... A folha. dizia eu. a nota. com voz de céu. de música, entenda-se. Nocturna. De Chopin. Fez falta ontem neste clima de escorpião, de lacrau, para quem não saiba. Doçura de piano. Vestidos de cetim. Lábios de moça com peitos de regaço. Abraços. Na noite cálida, Chopin fez falta. Ontem à noite. No deserto. Sem tâmaras. .
Mértola, noite de Julho.
-
"O tempo nas palavras"
-
Texto já publicado por Pedro Martins, em 25/7, em http://aditaeobalde.blogspot.com, agora com ligeiras alterações.
Postar um comentário