terça-feira, 3 de agosto de 2010

As eleições legislativas em STP

No passado domingo, realizaram-se as eleições legislativas em São Tomé e Principe e é a primeira vez que tive a oportunidade de acompanhar o processo eleitoral e partidário nesta realidade...E posso dizer que foi muito interessante, umas vezes divertido, outras chocante. Começou na campanha, com o fenómeno que aqui se intitula "Banho", e que significa literalmente dar dinheiro ás pessoas para votarem no seu partido. Ora eu pensava que não teria oportunidade para presenciar esse Banho, mas este afinal é tão claro e declarado que deparei-me com várias situações desse género. Nas roças, é só chegar um carro que vem toda a gente a pedir pelo seu banho, não interessa quem ou porquê. A minha equipa respondia que era uma ONG e todos nos viravam as costas desinteressados. Em todo o lado,os partidos construiram latrinas, fontanários, centros comunitários, e começaram a deslocar-se nos carros com música dentro e fora da cidade, como loucos e em festa pagando cervejas. Circular com carro tornou-se mais inseguro e as pessoas deixaram literalmente de trabalhar para "trabalhar" na campanha. Os ministérios estão parados, e qualquer assunto fica pendente por tempo indeterminado...Ao aproximar-se o dia da eleição toda a gente andava à procura do seu banho. Os meus colegas de trabalho, santomenses, começaram a aparecer com t-shirts, mochilas e canetas do partido, os quais proibi no local de trabalho. Depois perguntava se iam votar nesse partido e respondiam-me logo que não: "meu coração é do outro, mas se puder receber, recebo de todos". Basicamente, no dia das eleições, gerou-se um outro fenómeno, esse já não assisti pois não voto, que é o de "boca da urna" e que significa o banho após o voto. Várias pessoas me relataram o que sucede: a pessoa sai do l0cal de voto e logo uma pessoa a chama para lhe dar para a mão 200 mil dobras (que não chega a 10 euros) por votar no partido X e na esquina a seguir é chamada por um carro onde lhe dão uma quantia semelhante. Estava a almoçar na cidade, onde algumas pessoas de partidos também se encontravam, e assisti a outra situação normal. Entram duas senhoras que se dirigem a um senhor, que lhes pergunta se já foram votar, ao que lhe perguntam: "E meu banho?". O senhor diz-lhes para votarem primeiro no partido X, que depois irão receber "seu banho"... No dia seguinte, quando se souberam os resultados, no mercado da cidade estavam carros parados a distribuir dinheiro às pessoas que lá estavam. Eu desviei-me da rota, pois a confusão estava instalada. Isto chocou-me. Achei divertido outras facetas culturais da campanha a que não estou habituada. O que esperar de discursos políticos? Bom, nada de grandes debates e análises profundas da realidade politico-financeira do país... Assisti a um comício na TV que se passou numa comunidade, no qual o discurso enfático do líder para a população era o seguinte: "Se nós estivermos com uma mulher durante 35 anos e ela não parir, o que vocês fazem, vão ficar com ela mais 4 anos??" Ao que a população respondia com força: "Não!!!!!!!", e ele continuava:"Arranjavam outra mulher??" e a população respondia "Simmmm!!". Este é o resumo das últimas semanas e ao que parece a mulher vai mesmo mudar... Hoje perguntaram-me seriamente se não tinha ido votar. Eu respondi a sorrir que ainda recebi um saco de um partido com um chapeu de chuva, uma lanterna, uma caneta e um relógio...mas que não, por enquanto, continuo portuguesa. Rita
Postar um comentário