sábado, 14 de agosto de 2010

Poema Canção da minha ternura

Rondaste o meu castelo solitário
Como um rio de vozes e de gestos;
Baixei as minhas pontes fatigadas
E conheci teus lumes, teus agrados,
Teus olhos de ouro negro que confundem;
Andei na tua voz como num rio
de fogo e mel e raros peixes belos;
Cheguei na tua ilha e atrás da porta
me deste o banquete dos ardores teus.
-
Mas às vezes sou quem volta
a erguer as pontes e cavar o fosso
e agora em sua torre, ternamente
sem mágoa se debruça nas varandas
Vendo-te ao longe, barco nessas águas,
Querendo ainda estar se regressares
Porque seria pena naufragarmos
Se poderias ter, sem tantas dores,
viagens e chegadas nos amores meus.
-
LYA LUFT
-
Poema cedido pela amiga Água do Mar a quem peço que LYA LUFT venha ler a ver se gosta de aqui se ver!
-
Foto Net
Postar um comentário