sábado, 7 de julho de 2012

Crescemos com a bênção das águas






É como sair de um túnel
Quase como um parto
Preparado pelo tempo,
Remoído !
Como definir
A sensação
Que oprime 
E liberta o coração
A mistura das folhas secas
Dos labirintos das mágoas
Que se dissolvem nas chuvas
Com as pétalas vermelhas das rosas
Podiam ser amarelas
- seios de mimosas -
Perfumadas auroras
Que vencerão a chuva
Olhar diferente para o mundo
Casa com alicerces que ruíram
Sorrisos novos
Com asas mais leves saímos dos becos
E assim crescemos 
E envelhecemos 
Com a bênção das águas...
-
In "Os caminhos de Silêncio " - Chiado Editora, Novembro 2011


Postar um comentário