segunda-feira, 2 de março de 2015

Assim quero o meu poema

Neblina indelével 
Que a beleza não revela
Mas que insinua como pérola:
- Assim quero o meu poema!
Mertola-Lisboa, 2 de março
Postar um comentário