quinta-feira, 11 de março de 2010

A mensagem da chuva.

Juntamente com as águas acabadas de cair
Sobre o silêncio da noite
Sinto-me mergulhar na terra profunda do ser
Onde as coisas importantes acontecem
E onde não chegam os ruídos da superfície...
Nada do que vem de fora
Pode compreender a mensagem da chuva
No livro que se abre,
Na página que deixei aberta,
Não sei desde quando,
Mas que ficou à espera
Que a chuva caísse,
E a alma a ouvisse!...
-
Lisboa, Março de 2010
-
Os caminhos do silêncio
Postar um comentário