terça-feira, 30 de abril de 2013

Peito aberto aos ventos


Olhemos puros para fora e para dentro.

Sem medos.

Onde há medos não há lugar para o Amor.


Digamos não às  vitimizações  e culpas  visões de fantasmas algozes inexistentes.


Mostremos o peito aberto aos ventos

Que desarmados com sorrisos...

Já são brisas...
Postar um comentário