sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

O que resta incólume


(Foto minha - flor do meu hortejo )
O que resta incólume ? !
O rosto autêntico, que desafiou o vento.
O que é simples, profundo e transparente.
Figura gravada na pedra mais dura da montanha.
Aceno de ternura.
Dança de contentamento aplaudido por crianças.
Amor puro,
suspenso,
ancorado
e perdido
no tempo !

Eduardo Aleixo
Lisboa e Mértola, Dezembro 2015
Postar um comentário