segunda-feira, 17 de maio de 2010

Poeta convidado: Gastão Cruz

-
1. GLENN GOULD
-
Depois de sete anos recolheu-se
à comedida sombra dos estúdios;
não queria exceder o som exacto
-
que devia criar, o seu volume:
só assim pronunciaria
convictamente, sobre o que saía
-
das teclas percutidas,
como se já cantasse, soltas sílabas;
exemplo para poetas poderia
-
ser o deste pianista ao recusar-se
a forçar o seu som até que enchesse
enormes salas ( ele próprio o disse):
-
os grandes artesãos sempre algo ensinam
ao verso como outrora manolete
a joão cabral de melo neto
-
2. ALGUNS PIANISTAS
-
Emil Gilels tocava
como se detivesse fogo ou água:
em torno dele a luz formava um laço
de ouro líquido jorrando do teclado
-
A cabeça potente assemelhava-se
à do autor do som que se expandia
como de ouro fundido um
largo rio
-
Sviatoslav Richter imitava
o rigor da poesia ou da leitura
que dela fazem os que lêem nela
do universo a explosão futura:
-
em cada nota morre o universo
tal como em cada sílaba
da poesia, por isso ele tocava
em sala escura
-
e uma pequena luz mostrava a pauta
somente, para que não se perdesse
nenhum quinto de som, sua vogal,
e, ele e o público, nada os distraísse
-
Arturo Benedetti Michelangeli
vinha segundo a lenda acompanhado
de dois pianos e não agradecia
aplausos: só a música
-
e os autores dela deveriam
merecer o aplauso que era a escuta
apenas, uma arte tão difícil
e rara de que tanto necessita
-
também a poesia; a perfeição
parecia o limite inatingível,
por vezes atingível mito fixo
num céu longínquo como a arqutípica
-
imagem do pianista, este ou outro
dos que cantei ou já cantara quando
os vira como exemplos do domínio
dos braços e da mente sobre o rio,
-
em vertigem,
do som feito sentido,
assim sobre o teclado as evidentes
mãos de Horowitz
-
3. OFÍCIO
-
Os poemas que não fiz não os fiz porque estava
dando ao meu corpo aquela espécie de alma
que não pôde a poesia nunca dar-lhe
-
Os poemas que fiz só os fiz porque estava
pedindo ao corpo aquela espécie de alma
que somente a poesia pode dar-lhe
-
Assim devolve o corpo a poesia que se confunde com o duro sopro
de quem está vivo e às vezes não respira
-
Gastão Cruz
In, " ESCARPAS"
Postar um comentário