sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Ao entrares no Templo do Amor

Como posso individualizar o amor pleno, eterno, sem tempo, sem limites e sem nome?
Como posso colocar o teu nome no Templo do poema que dissolve todos os nomes na taça pura do amor infinito?
Ao entrares no Templo do Amor o poema que te escreveu apenas te acena indelével comovido por entrares e não o veres, a ele, que te criou, com o cinzel de fogo que o Amor Maior lhe concedeu!
Assim, todos os meus poemas,sem falarem de amor,são de amor, sobre o amor, escritos com amor, mas não incluem o teu nome, amor...
-
" Os caminhos do silêncio "
-
Foto minha
Postar um comentário