quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Rainer Maria Rilke (1 )

1. Sobre a Arte -
" Veja: não quero separar com um rasgo a vida e a arte: sei que em algum momento e lugar elas estão de comum acordo. Mas sou um desajeitado na vida, e, por tal razão, quando a vida se estreita ao meu redor, isso com frequência é uma estagnação para mim, um retardamento que me faz perder muitas coisas tal como às vezes num sonho quando não se consegue acabar de se vestir e, por causa de dois botões teimosos no sapato, falta-se a um evento importante e único. E também é verdade que a vida se move e realmente não deixa tempo para faltas e muitas perdas, especialmente para quem deseja desfrutar da arte. Pois a arte é uma coisa muito grande e muito difícil e muito longa para uma vida, e aqueles que têm idade bem avançada são apenas iniciantes nela. " Foi aos 73 anos que mais ou menos compreendi a forma e a natureza verdadeira dos pássaros, dos peixes e das plantas" - escreveu Hokusai, e Rodin sentiu o mesmo, e também se pode pensar em Leonardo, que ficou bastante idoso. E eles sempre viveram na sua arte e, reunidos em volta dela apenas, deixaram tudo o mais ser coberto pela vegetação. Mas como não deveria ter medo alguém que raramente vai ao seu santuário, porque cai nas armadilhas exteriores da avida agitada e se choca insensivelmente em todos os obstáculos? É por isso que quero encontrar o trabalho, começar o dia útil de forma tão ardente e impaciente , porque a vida só se pode tornar arte quando primeiro se torna trabalho. Sei que não posso cortar a minha vida dos destinos com que se emaranhou, mas tenho de encontrar a força para erguer a vida totalmente, tal como ela é, com tudo, para dentro de uma quietude , de uma solidão, do silêncio de profundos dias de trabalho. "
-
" Segurança além daquela que se encontra na poesia, na pintura, na equação, no edifício e na música talvez possa ser alcançada apenas pelo preço da mais definida delimitação. E uma pessoa estabeleceria tal segurança cercando-se e contentando-se num segmento escolhido do mundo, fruto de reflexão ou experiência , num ambiente de familiaridade e significação, em que um imediato uso de si mesma se tornasse necessário e possível. Mas como poderíamos desejar isso? A nossa segurança deve , de alguma maneira, tornar-se uma relação com o todo , com uma plenitude; ser seguro significa para nós tornar-se consciente da injustiça e admitir a realidade do fenómeno do sofrimento; significa rejeitar nomes para reverenciar por trás deles as criações e as conexões únicas do destino, como convidados; significa permanecer imperturbável em relação ao alimento e à privação, até ao fundo da esfera espiritual, tal como com relação ao pão e à pedra; significa não suspeitar de nada, não expulsar nada, não considerar nada para o outro; Significa viver, para além de todo o conceito de propriedade, em apropriações ( não proprietárias, mas alegóricas ). E, por fim, embora isto não se aplique ao âmbito burguês, fazer-se entender a respeito desta segurança ousada: ela é, afinal, o último ponto em comum, da fundação das nossas ascensões e declínios. Conceber a insegurança nos maiores termos - numa insegurança infinita, a segurança também se torna infinita..."
-
" Realmente há uma diferença entre a arte como um modo de viver ou apenas como uma ocupação. A primeira é, no entanto, tão imensa, tão lenta e talvez alcançável só na velhice que não vejo razão alguma para se colocar entre as pessoas que usam esse estranho nome. Só os realmente grandes são artistas nesse estrito, mas exclusivamente verdadeiro sentido de que a arte se lhes tornou um modo de vida - todos os outros, todos nós, que apenas ainda nos ocupamos com a arte, deparamos uns com os outros no mesmo vasto caminho e saudamo-nos com a mesma silenciosa esperança e ansiamos pela mesma remota mestria..."
Rainer Maria Rilke In " Da Natureza, Da Arte e Da Linguagem " - Reedição -
As aguarelas são da autoria de Joseph Edmund Pedro, cujo nome artístico é: JOED, ( DeBary - Florida, USA), a quem mando um forte abraço extensivo à sua esposa, Karen.
-
O " Bold " é da responsabilidade do autor do blog
Postar um comentário