sábado, 26 de dezembro de 2009

Falo da semente da fala

Cada som da palavra seja gota
Do sangue que a fala,
Sem ela não viva
Como barco sem vela
Como ar
Se nos faltasse.
Fala, canta, dança, pinta, cala,
Mas como se morresses
Em cada fala
Em cada canto
Em cada dança
Em cada tela
Em cada respiro de silêncio!
O resto...está a mais,
Nem máscara é!
Tão longe do ar,
Da água,
Do perfume,
Do incenso...
Ouve:
Até do suor está longe
E do sexo
E do amplexo da pele
Que até os anjos podem invejar!
Falo da semente da fala
Da fonte
Onde todos ajoelham
E com sede
Nem falam!
-
Eduardo Aleixo
-
( Os caminhos do silêncio )
- ( Obrigado, Frutuosa Santos, pela foto )
Postar um comentário