terça-feira, 30 de junho de 2009

Cruzeiro no Douro

21 de Junho de 2009
Barco Rabelo
Antes da construção das barragens no Rio Douro o vinho do Porto era transportado por estes barcos, de inspiração fenícia, até à ciade do Porto, para ser exportado. Só a partir daí surge a designação de " vinho do Porto ", sendo que a original era e é a de "vinho fino."
Cais do Peso da Régua
Iniciamos a viagem até ao Pinhão através deste vale deslumbrante, mas muito quente, a fazer justiça ao que por aqui se costuma ouvir: " são nove meses de inverno e três de inferno". Estava de facto muito calor. Mas a belaza da paisagem tudo compensa.
Na proa foram servidos gostosos aperitivos

E um delicioso e fresco Favaios
Barragem de Bagaústre

Lenda de Santa Marta de Penaguião
- Padroeira do Douro -

( A nossa guia, "ditando-me" a Lenda de Santa Marta de Penaguião )
Na altura das Invasões Francesas , um francês, de nome Guillon, puxou fogo a uma capela, erigida em honra de Santa Marta. Quando estava a incendiar a capela, apareceu-lhe Santa Marta e ele, tomando consciência do acto, arrependeu-se. Santa Marta disse-lhe então que para ser perdoado, bastaria trabalhar durante um ano nas vinhas do Douro. Ele assim fez. E com o dinheiro que ganhou mandou construir uma nova capela em honra de Santa Marta. Compreende-se assim o sentido do nome da povoação :
( Nome : Pena ( castigo ) de Guillon ( nome do francês )
Esta lenda evidencia quão penoso é o trabalho nas vinhas do Douro.
Ou, como escreveu Miguel Torga:
- Doiro, poema geológico.
Chegada ao Pinhão
Academia do vinho
Onde fomos obsequiados com o néctar da região: "vinho fino"
Estação do Pinhão, lindamente decorada

Próxima reportagem fotográfica: ida no comboio histórico ( do Pinhão ao Tua e do Tua à Régua.

Postar um comentário