terça-feira, 14 de julho de 2009

Convidado do mês de Julho: Mário Cesariny

1. Poema
Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco
conheço tão bem o teu corpo
sonhei tanto a tua figura
que é de olhos fechados que eu ando
a limitar a tua altura
e bebo a água e sorvo o ar
que te atravessou a cintura
tanto tão perto tão real
que o meu corpo se transfigura
e toca o seu próprio elemento
num corpo que já não é seu
num rio que desapareceu
onde um braço teu me procura.
2. Uma certa quantidade
Uma certa quantidade de gente à procura
de gente à procura duma certa quantidade
-
Soma:
uma paisagem extremamente à procura
o problema da luz ( adrede ligado ao problema da vergonha)
e o problema do quarto-atelier-avião
-
Entretanto
e justamente quando
já não eram precisos
apareceram os poetas à procura
e a querer multiplicar tudo por dez
má raça que eles têm
ou muito inteligentes ou muito estúpidos
pois uma e outra coisa eles são
Jesus Aristóteles Platão
abrem o mapa
dói aqui
dói acolá
-
E resulta que também estes andavam à procura
uma certa quantidade de gente
que saía à procura mas por outras bandas
bandas que por seu turno também procuravam imenso
um jeito certo de andar à procura deles
visto todos buscarem quem andasse
incautamente por ali a procurar
-
Que susto se de repente alguém a sério encontrasse
que certo se esse alguém fosse um adolescente
como se é uma nuvem um atelier um astro
( Cesariny, em " Uma grande razão - os poemas maiores )
Postar um comentário