sexta-feira, 31 de julho de 2009

Longe de ser eu...

Longe de ser eu,
As águas não são claras,
Mesmo que o poema seja belo
E o beijo seja ardente!
Longe de ser eu,
Estou longe da nascente!...
( Foto de Lucília Ramos, que agradeço, http://natureza.blogspot.com )

12 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

simples como a água que corre na foto!

beij

gotadevidro disse...

A beleza é seres tu e escreveres tão bem...

Bela a foto

bjito

Paula Raposo disse...

As gotas de água escorrem para o longe de seres tu...beijos.

Clotilde S. disse...

Eduardo,

Hás-de encontrar o teu EU porque acredito que não estejas assim tão longe de SER.

Estás no Caminho. Dúvidas, até a própria madre teresa de Calcutá as tinha.

Apenas porque somos humanos.

(Se interpretei mal este teu belo poema, P.F. corrige-me.)

Um abraço da águas claras,

Clo

Eduardo Aleixo disse...

Piedade

A água da foto é do Gerês e é límpida, está perto da nascente...Bj

Eduardo Aleixo disse...

Gota de Vidro

Pela tua gota de cristal vê-se um mundo belo. Obrigado.

Eduardo Aleixo disse...

Paula

Análise objectiva: é verdade.
Mas a água do poeminha anseia ser EU-Nascente mesmo quando as gotas deslisam ao longo do mundo:
- E por que não poderão/deverão sê-lo?

Eduardo Aleixo disse...

Clo

Na resposta à Paula está implícito o problema/questão do poema, do seu autor, do Homem: que o nosso EU nos acompanhe nas águas pelo mundo...Mas se calhar não consegui transmitir isso. Tb já é importante que suscite interpretações diversas. Se calhar também não tenho certezas...Se calhar!...

Fa menor disse...

Pena quando a nascente não nos inunda...
então há que procurá-la!

Goste de passar por cá :)

Bjinhos

Eduardo Aleixo disse...

Fa Menor
Procurar/regressar/ à Nascente.
Tb gostei de a ver por aqui!
Bj

mariabesuga disse...

precisa fazer caminhos ao contrário do curso das águas...

remar contra a maré a caminho da nascente...

límpido olhar para lá do lado de dentro...

Um abraço

Eduardo Aleixo disse...

Maria Besuga

Foi com rigor ao encontro do sentir/sentido do poema.