terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Abeiro-me de ti...

Abeiro-me de ti,
companheira
de rosto sereno.
Alimenta as minhas forças
contra os inimigos da paz.
Beija-me na face
e apazigua as tempestades
que se avolumam no meu peito.
Que sejas a água
da rocha
lisa e forte
que quero ser.
E que ambos
passemos
atentos
e juntos
pelo centro das aldeias
e cidades,
mais ricos do amor
que o mundo nos concede,
muitas vezes nos nega,
mas sempre nos merece!...
Eduardo Aleixo
Postar um comentário