quarta-feira, 13 de maio de 2009

CRONICA Os meus dias no fim do mundo...

São Tomé, cidade capital, deve ter sido uma cidade lindíssima na época colonial, com uma grande baía, uma arquitectura bem definida e espaçosa, sinais de que em tempos se sentiu aqui uma brisa de prosperidade. Hoje, a cidade continua bonita mas decadente, cheia de lixo e com as casas a ruir. A cada dia, lembro-me que o Hospital do país não tem água. Conheço-o por dentro e já vi de perto como se prestam (ou tentam prestar) os cuidados de saúde, e pergunto-me como podemos nós querer exigir mais se não existe à priori a bem essencial - água. Curiosamente, um bairro de luxo cresce mesmo ao lado, onde, dizem, nunca falta nada. Também se ouve por aí que essas casas têm canalizações que vão tirar água à canalização central feita para o Hospital. A verdade é que lá, só de madrugada se enchem os baldes de reserva de água para o dia seguinte. E outra verdade também, é que provavelmente as pessoas que vivem no bairro ao lado vão a Portugal quando ficam doentes. Eu também iria. Cada vez mais penso que andamos todos a brincar ao "desenvolvimento"! (Aventuras da semana: tive uma matacanha, bicho tipo larva que cresce dentro do pé que teve que ser retirada deixando uma cratera :) ) Boa semana a todos, bjs Rita
Postar um comentário