terça-feira, 9 de dezembro de 2008

( Da outra face )

( Foto de E. Aleixo )
Poema
Tento deslisar sem esforço, e com atenção ilimitada rodeio os penhascos conhecidos e os obstáculos inimaginados. Recuso os choques. Corto , sem tempo, os nós mergulhados nas articulações dos ossos do espaço e do tempo. Caminho nos caminhos invisíveis e silenciosos do silêncio. Tenho como destino um bosque de amor, harmonioso e perfumado. Eduardo Aleixo
Postar um comentário