segunda-feira, 9 de março de 2009

Crónica Semanal II ( da ilha de S. Tomé )

Olá... Cá estamos outra vez reunidos para uma sessão de partilha cultural... Este domingo caiu manhã bem cedinho uma grande carga de água tropical, como nunca tinha assistido na minha vida (tirando os tufões em Macau!). Foi uma chuva torrencial acompanhada de trovões e relâmpagos que estavam exactamente em cima da ilha e que faziam um barulho aterrador - a terra parecia tremer. E eu até gosto da trovoada...Não dormi mais e nessas alturas em que a natureza é assustadoramente real e presente, uma pessoa não consegue evitar pensar na vida e afins. Pois assim me pus eu a pensar, pois esta última semana foi particularmente dura. Isto de trabalhar nestes contextos não é fácil, sobretudo quando nos pomos a reflectir realmente sobre o que andamos aqui a fazer e no impacto real das nossas acções. Mas não vou maçar-vos com isso agora. Como foi também no domingo o Dia da Mulher e nós aqui (quando digo nós é a organização onde trabalho - a bem dizer, Médicos do Mundo) temos um programa de rádio semanal aos sábados, pelo que decidi incentivar a minha equipa de activistas a falar sobre o tema das desigualdades existentes entre o homem e a mulher no país. Infelizmente, o nível de espírito crítico, capacidade de escrever e empreender no geral é muito baixo. Se não somos "nós" a puxar a corda...mas bom, quanto ao dia da mulher em si, neste lado do mundo, ainda é mais fundamental trabalhar as questões de género - vemo-las por aí nos rios a lavar roupa, a caminhar com lenha na cabeça, com um filho no colo e outro dentro da barriga, dependente do homem e sem poder de decisão sobre a sua vida. Quando falamos, nas nossas saídas junto da comunidade, sobre coisas tão "simples" como a pílula, o período fértil e mostramos imagens do que é o seu aparelho reprodutor, muitos olhos brilham de interesse - para algumas é a primeira vez que estão a ouvir falar nisso...Enquanto as pessoas não tiverem as informações e conhecimentos suficientes para "agarrar" de facto na sua vida, não podemos pensar em desenvolvimento. Enfim. Conheço alguém que vai ficar com um sorriso nos lábios ao me ver escrever sobre o tema do Género. :) Bjs a todos e obrigada pelos simpaticos comentários Rita
Postar um comentário