terça-feira, 4 de novembro de 2008

Que as palavras não imitem...

Que as palavras não imitem
as folhas amarelas do outono
caindo no regaço das meninas.
Que as palavras não sejam amarelas
nem de cor nenhuma, apenas palavras
com sangue e pensamento.
Que as palavras nem sejam palavras,
mas sóis despertando as manhãs
em todos os peitos do mundo.
Que as palavras também sejam punhais
sempre prontos a sangrar
a verdade, a beleza , o amor,
a bondade e a justiça para além das palavras!...
Eduardo Aleixo
Postar um comentário