quarta-feira, 11 de junho de 2008

Pegadas

As minhas pegadas quero eu gravá-las
Sobre as areias do mar que eu amo
Onde os barcos passam
Cheios de homens e mulheres
Com sonhos carregados nas cabeças
E tantas dores sobre os ombros!
As minhas pegadas quero eu deixá-las
Sobre as areias do mar que eu amo
Onde me sinto como um grão da areia
A olhar para as constelações
Quando a noite me cobre de silêncio
E o corpo escuta
Até adormecer
O sentido que procuro para os passos
Que o mar já desfez
Deixando apenas sons nos búzios e nas conchas...
Eduardo Aleixo
Postar um comentário