terça-feira, 2 de setembro de 2008

Entre dois rios e muitas noites

I do not know much about gods. But I think that the river
Is a strong brown god.
T. S. Eliot, " Four quartets"
Era de noite. A chuva sem doçura. A estrada tão diferente das estradas a sul deste outro rio. A saudade parada durante muito tempo, nas noites sem doçura, como a chuva. Era de noite e eu não sabia nada. --------------------------------------- Entre as duas paisagens, entre os dois rios mais físicos que tudo, partiram, as gaivotas, eu perdi-me. Sem pertencer jamais a uma paisagem própria. Mas o olhar que fala, fala de um ponto outro. E sabe perspectivas de tempos menos planos, tem sempre cores diversas, muitos fios, basta Odisseu para as desconjuntar. ------------------------------------------------------ Era depois mais tarde. O cheiro da cidade na viagem, antecipando o Sul, o outro rio. Chegar de noite. Os cheiros da cidade. E aportar depois na doçura das coisas. Assim me parecia ----------------------------------------------- Se me sento a jusante, as outras margens soam-me mais caras, de maior arvoredo do que aquelas que piso: e o mesmo quando troco de visão: mais bela a outra margem aquela onde não estou -------------------------------------------------

Era depois dentro de uma outra noite .

Irresolvido olhar, inteira a mágoa. Desejar uma luz

reconstruindo os rios. As duas rochas: quase igual

beleza, as duas margens: de uma sombra igual.

E assim, ao estar em espaço de entre-

-margens, entrever outro tempo,

outro lugar.

--------------------------------------------------------

Só quando o coração percebe, em

sobressalto, que é possível amar entre

dois rios, amar ambos os rios, esses que vão.

E ficam. Quando a chegada pode ser a mesma,

simultânea e idêntica. É quando estar na noite pode ser

saber estas verdades

----------------------------------------------------

Podia terminar, dizer agora:

não usava Odisseu fotografia

para lembrar a face recordada.

Ao viver entre as noites da memória,

saber que saber tudo: igual a saber nada,

que o fim igual à génese de tudo.

De calcário ou granito enfeitar coração.

E ficar entre amar.

Ana Luísa Amaral

( Entre dois rios e outras noites )

Postar um comentário