sexta-feira, 25 de julho de 2008

Cantiga - e BOM FIM DE SEMANA

Fui colher uma romã
Estava madura no ramo
Fui encontrar no jardim
Aquela mulher que eu amo
Aquela mulher que eu amo
Deu-me um aperto de mão
Estava madura no ramo
E o ramo caiu ao chão.
( Cantiga do Baixo-Alentejo )
Nota: cantiga muito antiga. A gente cantava-a, na adolescência, nas noites quentes do Alentejo ..."pra elas ouvirem". Ainda apanhei o tempo de se namorar à janela. De se "pedir namoro": ritual chato, às vezes dramático, ter de decorar as frases: um dia, de tanto decorar, cheguei ao pé dela, que estava a apanhar a "camioneta da carreira" , e tinha pressa, e estava à espera "que eu me declarasse", e eu fiquei nervoso que sei lá, e só saiu: está uma tarde quente, não está? E foi assim que começámos o namoro, após o sorriso sábio dela... De se escreverem cartinhas e bilhetinhos que eram entregues a amigas intermediárias, que, "maganas", os liam, e de tudo sabiam, e nós, ingénuos, novinhos no amor,sem sabermos que essas nos amavam, ou vinham a aprender a amar-nos. Era o tempo em que os padres, do altar para baixo, sabendo dos namoricos, com os dedos espetados, na direcção dos interessados, ou dos pais dos interessados, faziam alusão a maus comportamentos que havia nos jovens, já influenciados, tão novos, pelo poder do demónio. Era o tempo dos pecados, mortais e veniais. Mas isso mais prazer nos dava para cantarmos para elas, debruçadas à janela, e a sonhar, tal como nós tínhamos visto no cinema, com o primeiro beijo.
Na cantiga fala-se em aperto de mão. É belo poeticamente. Mas também de certo modo corresponde à mentalidade da época. A romã simboliza a fertilidade. Vocês já viram a quantidade de bagos dentro dela? Mas também, a meu ver, o mistério: quem sabe o que está dentro da romã? E o prazer de comer os seus bagos depois do labor paciente de descascar a pele grossa, de retirar com cuidado a pele delicada, que protege os alvéolos, onde o tesouro se esconde...
Sim, é uma cantiga bonita. Que a gente cantava nas noites quentes do Alentejo...
Eduardo Aleixo
Postar um comentário