quinta-feira, 31 de julho de 2008

Pensamento

Eu admiro a mulher que um dia me disse no café: "Não me arrependo de nada do que fiz e faço até hoje. Amo, quando sinto em mim o amor brotar, e eu não quero deixar de espalhar esse amor pelos que me rodeiam... Choro, quando sinto o meu coração apertado e triste e eu não posso deixar que os meus olhos contenham as lágrimas que o exprimem... Os outros? O que eles pensam não interessa! Impaciento-me quando as coisas que me rodeiam não correm como desejo, e tenho medo, mas esse também o mostro com coragem. E rio, e olho para o mundo como uma criança, quando é a parte de mim mais autêntica que fala, e eu não quero apagar essa pureza, por muito que caia mal aos "olhos" de quem me vê... E o tempo passa, apesar de todos o quererem conter, E eu não me quero nunca arrepender da vida que não tive e do que ficou para trás por Ser..." Beijos Rita
Postar um comentário