terça-feira, 19 de agosto de 2008

Ode propiciatória

Abrir o pulso das árvores, alcançar espaço,
caminhar desprendendo, concentrando abrir,
ordenar os campos, demarcar as fronteiras.
Ainda não sabemos, ainda não saímos, ainda não começámos.
Vamos para o cerne, para a raíz do dia.
Olhar agora para a nascente branca. Olhar
para ver sem olhar. Receber a pura força
da força, irrigar os campos,
acariciar o sopro, respirar pelos olhos.
Ó deuses vivos e amados, ó configurações
que só esperam o reconhecimento da palavra!
Ó brancura aérea, ó âmbito contemplado!
Que o exercício desperte a lucidez dos lábios
e os animais do corpo ondulem soltos e transparentes.
Abrir os vasos do tempo, libertar as essências subtis,
rodar, rodar a esfera, abrir a terra,
acender a rotação, pousar na aura com os nomes,
limpar, limpar as raízes da lua,
penetrar na espessura onde o mundo se arredonda,
mover os opacos membros da deusa da montanha,
estar, estar no indolente ofício da sabedoria,
ir até ao fundo mais íntimo da pedra,
avivar os veios das máquinas vegetais,
gravar a ascensão dos grãos na gravidez silenciosa,
consagrar a lentidão que culmina nas abóbadas,
manter a herança no fogo da deriva,
contemplar o fulgor do sono na penumbra dos arbustos
e regressar ao desejo, à coroa do repouso.
Agora sustentar a trave, alargar a esfera,
contemplar o estremecimento dos volumes,
aderir à superfície densa, purificar as águas,
estar atento à distracção da transparência,
pesar as formas inteiras nos músculos repousados,
crescer animalmente na liberdade do espaço.
António Ramos Rosa
( Faro, 1924 )
Postar um comentário