quarta-feira, 28 de maio de 2008

O rosto do vento

Gosto da calma das noites
Após a guerra dos dias
Mas sinto sempre a grande solidão do mundo
Estampada no rosto do vento
Que conhece os segredos
De todos os caminhos...
Eduardo Aleixo
Postar um comentário